Em Foco

 

 

O grupo Estado Islâmico, antes chamado de Estado Islâmico no Iraque e na Síria (Isis), intensificou sua campanha de violência no Norte e Oeste do Iraque em junho desse ano, quando conseguiu assumir o controle de Mossul, a segunda maior cidade do país. Desde então, os extremistas colecionam algumas conquistas importantes, como a tomada de vastos territórios iraquianos, a obtenção de armamento do Exército, e o controle de infraestruturas estratégicas. Diante disso, a organização é considerada uma ameaça não só ao país, mas também a outras áreas do Oriente Médio.

01

Surgimento

O Estado Islâmico no Iraque e na Síria (Isis) foi criado em 2013 e cresceu como um braço da organização terrorista al-Qaeda no Iraque. No entanto, no início deste ano, os dois grupos romperam os laços. No final de junho, os extremistas declararam um califado, mudaram de nome para o Estado Islâmico (EI) e anunciaram que iriam impor o monopólio de seu domínio pela força. O EI é hoje um dos principais grupos jihadistas, e analistas o consideram um dos mais perigosos do mundo.

02

Áreas de atuação

As atividades do EI se concentram no Iraque e na Síria, onde o grupo assumiu um papel dominante e possui forte presença. O recente controle de vastos territórios no Norte e Oeste do Iraque, além das áreas dominadas pelos curdos, ajudaria o grupo islâmico a consolidar seu domínio ao longo da fronteira com a Síria, onde luta contra o regime de Bashar al-Assad.

03

Liderança

Seu principal líder é Abu Bakr al-Baghdadi, apontado como um comandante de campo e tático e designado "califa de todos os muçulmanos". Aparentemente, ele se juntou à insurgência em 2003, logo após a invasão do Iraque, liderada pelos Estados Unidos. Diante dos avanços do Estado Islâmico, ele pode em breve se tornar o jihadista mais influente do mundo.

04

Combatentes ocidentais

O Estado Islâmico conta com um vasto grupo de extremistas: entre 3 mil e 5 mil milicianos, muitos deles estrangeiros. Vídeos divulgados pelo grupo jihadista mostram britânicos que aderiam à causa islâmica e à luta armada. Os governos ocidentais temem que esses insurgentes possam voltar para seus países representando uma ameaça.

05

Ações cruéis

Nos conflitos nos quais participou, o grupo foi acusado de diversas atrocidades, como sequestros, assassinato de civis e torturas. A milícia é considerada extremamente agressiva e eficiente em combate. Após a tomada de Mossul, os EUA afirmaram que a queda da segunda maior cidade do Iraque representava uma ameaça para toda a região. O avanço dos jihadistas levou os EUA a bombardearem alvos rebeldes.

 

Origem: Jornal O globo

O ex-presidente Lula concedeu uma entrevista recentemente onde insinuou que a culpa pela corrupção generalizada nos governos do PT, e posta em prática através da Petrobras, recai sobre Deus.

Luís Inácio costuma fazer declarações desastrosas quando resolve envolver aspectos de fé e religião em suas entrevistas e discursos. Dessa vez, na conversa com o jornalista Roberto D’Ávila, da Globo News, o ex-presidente sugeriu que o juiz Sérgio Moro, que conduz a Operação Lava-Jato, deveria intimar Deus a depor para confirmar se Ele é cúmplice do escândalo.

“Eu espero que um dia Deus, vendo tudo que está acontecendo no Brasil, carimbe na testa das pessoas o que ele vai ser quando ele tiver um emprego —se vai ser ladrão, se vai ser honesto ou não”, disse Lula, atribuindo a Deus omissão no caso.

“Você sabe que muitas vezes aquele cara que parece que é um santo, na verdade é um bandido. O que parece bandido é um santo”, completou o ex-presidente, eximindo-se de culpa na escolha de seus pares, corruptos, condenados pela Justiça.

D’Ávila havia questionado a Lula se ele foi pego de surpresa com o escândalo do petrolão, já que ele era o principal responsável pelas nomeações. O ex-presidente disse que sim: “Acho que foi um susto para mim. E foi um susto para o mundo”, afirmou.

O jornalista do Uol, Josias de Souza, fez piada com a fala do ex-presidente: “O depoimento de Deus tornou-se indispensável. Ainda mais nesse clima de suspeição generalizada em que a simples menção de um nome pode afetar uma reputação que, às vezes, levou muito tempo para ser construída, como a do Todo-Poderoso. Deus, obviamente, seria dispensado pelo doutor Moro de prestar qualquer tipo de juramento”, escreveu.

Para Souza, “com divina paciência, Ele recordaria as bênçãos que concedeu a Lula”, como por exemplo, a chance de revidar os ataques feitos a ele por Fernando Collor durante a campanha presidencial de 1989: “Lula recebeu a graça de participar da cruzada pelo impeachment. Nessa época, chamava Collor de ‘ladrão’”, acrescentou o jornalista.

Ao final de seu artigo, Josias de Souza torna a insinuação de Lula ainda mais cômica, construindo um diálogo hipotético entre Deus e o condutor da Lava-Jato: “O Padre Eterno dirá ao juiz Moro: ‘Anos depois, com a graça de Deus, digo, com a Minha graça, Lula elegeu-se presidente da República. Incorporou aquele que chamava de larápio à sua base de apoiadores. Em 2009, premiou Collor com duas diretorias de uma subsidiária da Petrobras, a BR Distribuidora. Agora diga, meu filho, acha mesmo que alguém que é incapaz de perceber que Fernando Collor é Fernando Collor merece ajuda?’ Sérgio Moro, mãos postas, encerrará o depoimento de Deus. E intimará Lula”, concluiu.

fonte:

http://noticias.gospelmais.com.br/lula-acusa-deus-omissao-corrupcao-petrobras-80338.html


IGREJA EVANGÉLICA NAÇÃO DE ADORADORES © - 2018 - Todos os direitos reservados
Desenvolvido por On Rio Internet Ltda